Com top-5 nas 8 Horas da California, Augusto Farfus sobe na classificação do IGTC.

Em sua primeira vez no lendário circuito de Laguna Seca, o brasileiro e seus companheiros apostaram na estratégia, visando resultado importante para o campeonato.

Com grande experiência nos principais circuitos do mundo, Augusto Farfus teve na 2ª etapa do Intercontinental GT Challenge a oportunidade de estrear no tradicional circuito de Laguna Seca, nos Estados Unidos, para as 8 Horas da California, que terminaram com saldo positivo para o brasileiro. Dividindo a condução da BMW M6 GT3 #42 com Martin Tomczyk e Chaz Mostert, eles repetiram a sólida performance da rodada de abertura, em Bathurst, na Áustralia, terminando novamente na 5ª posição. Com o resultado, o trio do BMW Team Schnitzer atingiu o objetivo de seguir subindo na classificação do campeonato.

Largando em 7º lugar, Tomczyk ficou preso no meio do pelotão, perdendo algum tempo no início. Ao longo da prova, porém, o trio conseguiu recuperar terreno para brigar entre os ponteiros, mesmo após pagarem um drive-through por um contato considerado irregular pelos comissários. Na parte final da corrida, Farfus assumiu o volante para um duplo stint, levando o trio a completar as 326 voltas com mais um top-5.

Com o resultado, Farfus e seus companheiros subiram para a 3ª posição na classificação geral do Intercontinental GT Challenge, a apenas três pontos da vice-liderança. A próxima etapa do certame, que marca a metade do campeonato, acontece entre os dias 27 e 28 de julho, nas 24 Horas de Spa-Francorchamps, na Bélgica. O calendário também conta com as 10 Horas de Suzuka, e as 9 Horas de Kyalami, na África do Sul.

Para Farfus, o próximo compromisso nas pistas será a estreia no FIA WTCR, campeonato que o curitibano disputará pela Hyundai neste ano. Com um total de 10 etapas, a rodada inaugural acontece em Marrakech, no Marrocos, já na semana que vem, entre os dias 5 e 7 de abril.

Augusto Farfus:

“Foi um bom resultado, e acredito que o melhor que podíamos fazer aqui. Laguna Seca é um circuito incrível, mas extremamente difícil para pilotar, com pouca aderência, o que exige muito dos pneus, e que não favorece a BMW M6. Então, fizemos uma corrida limpa, pensando no campeonato, e arriscamos na estratégia no fim, quando fiz um duplo stint com o mesmo jogo de pneus, o que nos permitiu chegar em 5º. Almejamos pódios e vitórias, mas fizemos a lição de casa, de conseguir um resultado importante para construir a temporada, e nos mantermos na briga pelo título.

Agora sigo para um novo desafio, que é a estreia no WTCR. Depois de um inverno (na Europa) intenso de treinos, com uma boa preparação, espero começar bem essa nova aventura, em Marrakech”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *