Augusto Farfus fecha 6 Horas de Spa-Francorchamps com 4º lugar, em corrida caótica.

No último desafio antes das 24 Horas de Le Mans, piloto da BMW teve bom desempenho em meio a corrida muito difícil, marcada pela extrema variação do tempo

Sol, chuva, granizo e até mesmo neve: esse foi o cenário das 6 Horas de Spa-Francorchamps, disputada neste sábado (4) e válida como penúltima etapa da Super Temporada 2018-2019 do FIA WEC. A prova foi o último desafio antes das 24 Horas de Le Mans, e, por isso, muito importante na preparação para pilotos e equipes. Para Augusto Farfus, que correu ao lado de António Félix da Costa a bordo da BMW M8 GTE #82, o saldo foi positivo em uma corrida de condições extremamente difíceis, com o 4º lugar na categoria LMGTE Pro.

Após os treinos livres na quinta e sexta-feira, Farfus e Félix da Costa garantiram o 3º lugar no grid de largada da categoria, com a média dos tempos dos dois, mas a previsão do tempo já indicava que a prova seria dura para os competidores, com expectativa de chuva e baixas temperaturas.

A dupla teve ritmo forte ao longo da prova, enquanto a situação mudou de pista seca para chuva, depois, muita chuva, granizo e neve. Assim, as equipes trabalhavam duro na pista e na estratégia para tentar prever as condições, por conta da escolha dos pneus, o que era bem difícil, considerando o tempo caótico que se instalou na região do autódromo belga.

Faltando uma hora para o fim da corrida, Farfus e Félix da Costa estavam em 2º lugar quando fizeram um pit-stop, mas com a entrada do safety car, a equipe não conseguiu tirar vantagem da estratégia. A prova foi encerrada pouco depois com bandeira vermelha, por causa do mau tempo, e eles terminaram em 4º lugar.

Apesar dos percalços, o brasileiro destacou o bom trabalho na etapa prévia às 24 Horas de Le Mans, pensando já na mais importante prova do calendário.

Augusto segue com sua agenda bem cheia, e vai para o terceiro final de semana consecutivo em competições. Após a etapa de Hungaroring do WTCR e as 6 Horas de Spa-Francorchamps, o brasileiro volta a acelerar no WTCR, desta vez na Eslováquia, entre os dias 10 e 12 de maio.

Augusto Farfus:

“A corrida foi caótica, uma loteria durante todo o tempo e uma das corridas mais difíceis que já fiz, dentro e fora da pista, tanto para acertar a estratégia, quanto para manter o carro na pista. Teve chuva, granizo, neve, sol, tudo em 6 Horas. A gente arriscou uma estratégia ousada no fim, para tentar brigar pela vitória, mas caiu muita chuva, e o safety car ficou na pista por muito tempo, o que acabou com nossa chance, mas o 4º lugar foi positivo. O mais importante é que, depois de um ano, concluímos nossa preparação para a segunda Le Mans do campeonato, que é a principal corrida do calendário, e então vamos juntar todo o aprendizado de um ano para brigar pela vitória no próximo mês”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *